Polícia usa aplicativo espião criptografado e engana traficantes no mundo inteiro

Polícia usa aplicativo espião criptografado e engana traficantes no mundo inteiro e prende 800 pessoas. Uma operação policial com uma sacada inteligente para enganar os criminosos prendeu mais de 800 pessoas e evita assassinatos encomendados. 

Mais de 800 suspeitos de crimes foram presos em todo o mundo após serem induzidos a usar um aplicativo de mensagens criptografadas do FBI, dizem as autoridades.

A operação, concebida em conjunto pela Austrália e o FBI, viu dispositivos com o aplicativo ANOM distribuídos secretamente entre criminosos, permitindo que a polícia monitorasse suas conversas sobre tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e até mesmo planos de assassinato. As autoridades consideraram isso um momento divisor de águas.

Os alvos incluíam gangues de traficantes e pessoas com ligações com a máfia.  Drogas, armas, veículos de luxo e dinheiro também foram apreendidos na operação, realizada em mais de uma dezena de países. Isso incluiu oito toneladas de cocaína, 250 armas e mais de US $ 48 milhões (£ 34 milhões) em várias moedas e criptomoedas em todo o mundo.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que a operação “desferiu um forte golpe contra o crime organizado” em todo o mundo. A agência policial da União Europeia Europol descreveu a Operação Trojan Shield / Greenlight como a “maior operação de aplicação da lei contra comunicação criptografada“.

Como funcionou a picada ANOM?

O FBI começou a operar uma rede de dispositivos criptografada chamada ANOM e dispositivos distribuídos secretamente com o aplicativo de bate-papo entre o submundo do crime por meio de informantes. A ideia da operação surgiu depois que duas outras plataformas criptografadas foram derrubadas por órgãos de segurança pública, deixando gangues de criminosos no mercado de novos telefones seguros.

Este é um exemplo fascinante de aplicação da lei, talvez ficando cansado de disputar com os gigantes da tecnologia dos Estados Unidos sobre o acesso a dados criptografados e dispositivos bloqueados, resolvendo o problema com as próprias mãos. Administrar uma espécie de plataforma WhatsApp para criminosos é uma jogada ousada, e colocar aparelhos sob medida nas mãos dos próprios infratores que eles estavam tentando capturar era ambicioso, para dizer o mínimo.As autoridades supostamente assumiram o controle de uma empresa de comunicações chamada ANOM há cerca de três anos, depois que um criminoso condenado lhes prometeu acesso em troca de uma sentença mais branda. Os aparelhos eram classificados como super seguros e tinham um mercado-alvo muito específico: grupos de crime organizado.As autoridades até tiraram proveito de uma tendência atual no Vale do Silício – cobraram uma assinatura mensal pelo produto.

Os dispositivos foram inicialmente usados ​​por supostos criminosos seniores, dando a outros criminosos a confiança para usar a plataforma.  “Era preciso conhecer um criminoso para conseguir um desses telefones personalizados. Os telefones não tocavam nem enviavam e-mails. Você só podia se comunicar com alguém na mesma plataforma“, explicou a polícia australiana.O fugitivo australiano e suposto traficante de drogas Hakan Ayik foi a chave para a armação, tendo inadvertidamente recomendado o aplicativo a associados criminosos depois de receber um aparelho de policiais disfarçados, disse a polícia.Apelidado de “gangster do Facebook” pelos meios de comunicação australianos, Ayik é visto em fotografias de redes sociais com grandes tatuagens e um físico musculoso. Os meios de comunicação locais dizem que ele vive na Turquia desde que fugiu da prisão, levando um estilo de vida luxuoso com uma esposa holandesa.A polícia disse que era “melhor ele se entregar a nós” o mais rápido possível, pois ele próprio pode estar em perigo por ter ajudado involuntariamente o FBI com sua picada.

No total, cerca de 12.000 dispositivos criptografados foram usados ​​por cerca de 300 organizações criminosas em mais de 100 países segundo a BBC.

O que as autoridades descobriram?

Os policiais puderam ler milhões de mensagens (cerca de 27Milhões) em “tempo real” descrevendo tramas de assassinato, planos de importação de drogas em massa e outros esquemas. “Eles só falam sobre drogas, violência, brigas, pessoas inocentes que vão ser assassinadas, uma série de coisas”, disse o comissário da Polícia Federal Australiana Reece Kershaw.No total, cerca de 9.000 policiais em todo o mundo estiveram envolvidos na armação. Calvin Shivers, da Divisão de Investigação Criminal do FBI, disse que a operação permitiu às agências policiais “virar o jogo contra as organizações criminosas“, com informações coletadas para prevenir assassinatos e vários outros crimes. “Na verdade, pudemos ver fotos de centenas de toneladas de cocaína escondidas em carregamentos de frutas”, disse ele.Declarações de agências de aplicação da lei não citaram nenhum dos presos na armação.Na Austrália, 224 pessoas foram presas, incluindo membros de gangues de motociclistas fora da lei, grupos mafiosos, sindicatos do crime asiático e grupos do crime organizado. A polícia disse que também apreendeu três toneladas de drogas e A $45 milhões (£ 25 milhões; $ 35 milhões) em dinheiro e bens, e agiu sob 20 “ameaças de morte“, potencialmente salvando a vida de um “número significativo de transeuntes inocentes”.Morrison disse que a picada, que foi chamada de Operação Ironside, foi “um divisor de águas na história da aplicação da lei australiana“. A polícia da Nova Zelândia disse que 35 pessoas no país foram presas e cerca de NZ $ 3,7 milhões (£ 1,9 milhões, $ 2,7 milhões) de bens confiscados. “Acreditamos que o término dessas operações terá um impacto significativo na cena do crime organizado da Nova Zelândia“, disse o diretor detetive superintendente do Grupo de Crime Organizado Nacional, Greg Williams.Nos EUA, o FBI desvendou uma acusação contra 17 pessoas por distribuir os dispositivos habilitados para ANOM – oito foram presos até agora, enquanto o restante está foragido.  O vice-diretor executivo da Europol, Jean-Philippe Lecouffe, descreveu a operação como um “sucesso excepcional“.

A agência não divulgou as detenções em cada país, mas autoridades locais disseram que incluíam 70 pessoas na Suécia e 49 na Holanda, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Linda Staaf, chefe de inteligência da polícia sueca, disse que a operação ajudou a prevenir mais de 10 assassinatos planejados na Suécia.

Fonte: BBC & Band News Youtube

Fonte: https://minutodaseguranca.blog.br/policia-usa-aplicativo-espiao-criptografado-e-engana-traficantes-no-mundo-inteiro/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.