OPINIÃO, por Rosemberg Pires

A cada dia que passa desse desastroso ano de 2020, só temos incertezas do futuro próximo. Passamos os 4 anos que antecederam 2020 nos preparando para uma nova época no mercado, imobiliário, bem como na área política e social. Chegamos a ver a luz no fim do túnel. Essa luz se apagou com um tsunami, que entrou no mundo pela China e espalhou-se rapidamente por todos os confins da terra. Em especial no nosso mercado Imobiliário, já tão devastado por pequenos tsunamis, como desemprego, impeachment, eleições, preço dos imóveis impraticáveis, especulação no preço dos terrenos, oferta maior que a procura e a desvalorização da profissão de Corretor de Imóveis pelo surgimento de Startups de compra, venda e aluguel, além de outras ferramentas que aproximam as partes. Esses não foram sinais suficientes para que provassem a todos e às Entidades de Classe, Empresários e Políticos que não estamos preparados para SOL e CHUVA. E, como verdadeiros milagrosos, surgem os ” Salvadores da Pátria”, grandes oradores e treinadores humanos, em LIVES, como se o fato de estarem na mídia em sua nova forma, ou seja, a VIRTUAL, já fosse uma grande descoberta ou mudança. Inicialmente, começaram a vender sua própria imagen de “sabedores da solução”, convidando empresários e grandes figuras do mercado imobiliário. Houve live até para vender imóveis nos EUA, como se fosse a solução da grande crise profissional, financeira e moral que o Corretor de Imóveis já enfrenta nos últimos 10 anos. Com quase 40 anos no mercado Imobiliário, tenho vivido e convivido com grandes construtoras, bancos, empresários e fornecedores que nem existem mais. Com crises das mais variadas tipologias, mesmo sendo um formador de opinião, AINDA não tenho a PRESUNÇÃO e imprudência de dizer, informar, ensinar ou muito menos tentar adivinhar o que vai acontecer com as vendas nos próximos 12 ou 24 meses, no mínimo. Todas as pessoas mudarão seu modo de viver e pensar. O Brasil passará por uma recessão econômica profunda. Estimados -5% do PIB e o desemprego beirando 50 milhões de brasileiros. Não existirão “MILAGRES” em LIVES ou treinamentos de novas ferramentas de vendas, muito menos STARTUPS das mais modernas conectividades, ou plataforma que venha solucionar as vendas e alugueis comerciais, bem como a inadimplência e desistência contratual da compra em construção, como a devolução de milhares de imóveis comerciais locados e fechamentos de médios negócios em shoppings e centros comerciais. A Incerteza é tanta que, só em 12 de maio de 2020, a sociedade brasileira veio descobrir o dia e a importância da profissão que está, mesmo sob grande pressão psicológica, aguentando o TRANCO do tsunami covid-19: enfermeiras e enfermeiros. Chegou a hora de SAIRMOS de cena como Profissionais de Vendas e aceitar que o que está por vir só será solucionado por decisões políticas e econômicas em todas as fases de aquisição de um imóvel. Desde sua concepção, aprovação (os órgãos públicos existem, para antes de mais nada, complicar), regularização (cartórios e fins de arrecadação imorais) e a parte financeira (lucros, impostos, preços, juros e prazo de pagamentos). A indústria automobilística vem ensinando a construção civil há 3 décadas o seu o poderio de mercado. O consumidor entra numa revenda de veículos com o CPF, sai com o bem juridicamente perfeito, segurado, com juros baixos, prazos que colocam a prestação acessível e inúmeras outras conquistas, como por exemplo o Portador de Deficiências que compra um veículo com todos os impostos isentos. Nada muda para o mercado imobiliário com o fato de uma plataforma dispensar a presença dos compradores na hora de assinar o contrato ou escolher seu imóvel. Nada vai mudar. As entidades que controlam toda cadeia da construção civil têm que exigir mudanças mais profundas, como já disse em todo o processo que envolve a construção civil. Esses setores, um dos que mais emprega no país, têm que exigir mudanças profundas aos políticos e autoridades judiciais do Brasil. Do contrário, continuarão como há 40 anos: sem estarem preparados para o SOL e a CHUVA.


Rosemberg Pires
Não sou nem otimista, nem pessimista
Os otimistas são ingênuos, e os pessimistas amargos. Sou um realista esperançoso. Sou um homem da esperança.

– Ariano Suassuna

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.