Tudo sobre manutenção de elevadores

Aprenda o passo a passo completo sobre os cuidados com elevadores para que condôminos, funcionários e visitantes façam uso seguro e tranquilo em seu condomínio

Por Catarina Anderáos
Aprenda o passo a passo completo sobre os cuidados com elevadores para que condôminos, funcionários e visitantes façam uso seguro e tranquilo em seu condomínio

Elevador é considerado o transporte mais seguro do mundo e está entre os mais usados, principalmente em condomínios.

síndico deve ter um cuidado especial com a manutenção destes equipamentos, pois envolve risco de vida e, se não forem seguidas normas e legislações, a responsabilidade pode recair sobre ele em caso de acidentes.

Para se ter uma ideia, mais de 25 milhões de pessoas usam diariamente cerca de 80 mil elevadores na cidade de São Paulo — número oito vezes maior que o de passageiros de ônibus.

Em todo o Brasil são cerca de 400 mil elevadores, metade concentrada nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, segundo levantamento fornecido pelo Sindicato das Empresas de Elevadores do Estado de São Paulo (Seciesp).

Embora raros, os acidentes envolvendo elevadores assustam. “Normalmente os acidentes ocorrem por falta de manutenção adequada ou durante o resgate de passageiros por pessoa não habilitada. O resgate deve ser feito pelos profissionais das empresas contratadas, ou, em último caso, Corpo de Bombeiros”, alerta Max dos Santos, diretor-executivo do Seciesp.

Acidentes envolvendo elevadores, além do potencial letal, podem trazer, no mínimo, danos com amputação de membros e lesões permanentes. De acordo com a Prefeitura de São Paulo, entre 2017 e 2019, houve sete acidentes na cidade, dos quais dois com vítimas fatais.

Segundo o Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo, nenhuma queda total havia sido registrada nos últimos 15 anos no estado até a ocorrência na cidade de Santos no dia 30/12/19, em que um elevador despencou do nono andar, causando quatro mortes.

Manutenção dos elevadores é questão de segurança

Por envolver o transporte de milhares de pessoas, proporcionar conforto e conveniência, é fundamental a manutenção dos elevadores, equipamentos vitais para empreendimentos residenciais e comerciais.

Nos condomínios, os elevadores estão listados entre os itens mais críticos. “Numa escala de zero a 10, um elevador parado leva nota 9, só perdendo para falta de água”, opina o síndico profissional Fúlvio Stagi, que atende 32 condomínios no estado do Rio de Janeiro.

Paradas de elevador, deixando pessoas presas dentro da cabine, são um pouco mais comuns. Embora de baixo risco, são suficientes para deixar quem ficou trancafiado à beira do desespero. Em 2019 foram realizados 587 resgates em elevadores que pararam de funcionar no Estado de São Paulo, de acordo com dados do Corpo de Bombeiros.

“A manutenção dos elevadores é parte essencial na operação dos condomínios, tanto por questões de desempenho quanto de segurança. Os moradores percebem a criticidade dos elevadores e muitos têm grandes preocupações quanto a falhas que possam levar pessoas a ficarem presas na cabine, ocasionadas por defeitos ou mesmo falta de energia elétrica”, afirma  Jessé de Souza Oliveira Jr., síndico profissional.

Elevadores são regulados por legislação e normas técnicas

De acordo com Everton Ramos, sócio e consultor técnico da Hi Solution Consultoria e Engenharia, a principal norma técnica que regula os elevadores é a ABNT NBR NM 207/1999, que especifica as regras de segurança para a construção e instalação de elevadores elétricos de passageiros com casa de máquinas. Para elevadores sem casa de máquinas, a norma é a ABNT NBR – 16042/2012.

legislação

No que diz respeito à manutenção de elevadores, a norma é a ABNT NBR 16083/2012, que se aplica a elevadores, escadas rolantes e esteiras rolantes, com requisitos para instruções de manutenção dos equipamentos.

Quanto à legislação, os condomínios devem estar atentos às leis municipais.

EM SÃO PAULO

No caso de São Paulo, há a Lei Municipal nº 10.348/1987, que diz respeito, entre outras coisas, ao:

  • licenciamento de cada aparelho
  • alvará de instalação e funcionamento
  • obrigatoriedade de ter contrato com uma empresa de conservação registrada na Prefeitura.

Segundo o artigo 7º, o registro da empresa conservadora “dependerá da indicação e do registro, junto à Prefeitura, de engenheiro responsável técnico, regularmente capacitado, nos termos da legislação federal e das normas próprias, expedidas pelo órgão de classe.” No que diz respeito ao registro das empresas conservadoras, a lei é complementada pelo Decreto Municipal nº 52.340/2011.

A lei ainda diz que os “engenheiros responderão solidariamente com as empresas instaladoras ou conservadoras pelo cumprimento desta Lei, sendo passíveis das mesmas responsabilidades e penalidades em que as empresas incorrerem em virtude de infrações.”

Já o artigo 9º obriga a empresa conservadora a fazer inspeção anual rigorosa dos elevadores, com emissão do Relatório de Inspeção Anual (RIA), documento obrigatório que indica as condições de funcionalidade e segurança dos equipamentos. “Com esse documento, a prefeitura delega às empresas de manutenção a obrigação de relatar o estado de conservação dos equipamentos”, comenta Everton Ramos.

“O ideal é que a empresa oriente os condomínios clientes a munir seus elevadores com todos os itens de segurança estabelecido por norma e pelo RIA, aumentando o coeficiente de segurança dos usuários”, comenta Max dos Santos, diretor-executivo do Seciesp.

A Prefeitura de São Paulo cobra anualmente R$ 150,00, por elevador, referente à Taxa de Vistoria de Aparelhos de Transporte Vertical e Horizontal, para fazer cadastro dos equipamentos em um sistema informatizado. Há um Projeto de Lei em andamento para acabar com a cobrança, de autoria da vereadora Janaína Lima.

Essa cobrança varia de município para município.

O que exigir da empresa de manutenção para estar em dia com leis e normas

Não há outro caminho: para que os elevadores estejam em dia com leis, normas e padrões de funcionamento e segurança, todo condomínio deve contratar uma empresa de manutenção ou conservação com as credenciais necessárias e seguir suas orientações.

Em caso de dúvida sobre a atual prestadora de serviços, o síndico deve recorrer a consultores independentes  ou ainda ao Seciesp, que poderá ajudá-los neste sentido”, alerta Max dos Santos. A depender do escopo, um parecer técnico pode ser contratado a partir de R$ 750 por elevador.

De acordo com a diretora de Instalações Existentes e Modernização na Atlas Schindler, Marici Santos, a manutenção realizada periodicamente pela empresa contratada atenderá as exigências técnicas, bem como garantirá que o equipamento esteja em condições normais e seguras de funcionamento.

“Importante que os apontamentos realizados pela empresa de manutenção para garantir a funcionalidade do equipamento sejam observados e providenciados pelo cliente, já que os equipamentos, com o tempo de uso, necessitam de ajustes corretivos que implicam autorização”, enfatiza a diretora da Atlas Schindler.

O que costuma ser verificado e executado na manutenção de um elevador

O elevador é um equipamento complexo e possui diversos itens para serem inspecionados periodicamente. É muito importante que a mantenedora execute as rotinas de manutenção, seguindo a periodicidade exigida por cada componente.

“Existem itens de segurança, como cabos de açoregulador de velocidade e bloco de segurança, que devem ser rigorosamente verificados para garantir o funcionamento correto e seguro dos elevadores aos condôminos e demais usuários”, explica Everton Ramos, da Hi Solution.

Durante a visita de manutenção, os técnicos da empresa testam componentes de segurança, identificam peças que apresentam desgastes e que podem precisar de substituição, dentre outros detalhes que fazem a diferença na disponibilidade de funcionamento dos elevadores em um condomínio.

verificação

Além do atendimento presencial, hoje já existem soluções digitais de monitoramento remoto dos elevadores. A Atlas, por exemplo, oferece o Schindler Ahead, que permite a aplicação de uma manutenção preditiva por meio de análises avançadas, o que pode aumentar a disponibilidade dos equipamentos.

Como escolher uma empresa idônea e gabaritada

É unânime entre especialistas e síndicos entrevistados que o principal cuidado com os elevadores começa na escolha da empresa de manutenção ou conservação do equipamento – independentemente de ser o fabricante.

“O mais importante é que a manutenção dos elevadores seja feita por empresa habilitada e capacitada, com registro em órgãos competentes, tais como registro de concessão na prefeitura e entidades de classe, como o Seciesp. Importante checar certidões negativas de débitos da empresa bem como contatar clientes atendidos para avaliar a celeridade de atendimento“, recomenda Max dos Santos, diretor-executivo do Seciesp.

No caso dos empreendimentos localizados na cidade de São Paulo, a checagem de registro dos equipamentos deve ser feita no SEGUR, órgão de fiscalização da prefeitura.

Outros requisitos que a empresa escolhida deve atender:

  • CNPJ válido com CNAE adequado para a atuação no mercado de elevadores
  • registro de concessão atualizado da prefeitura: as renovações são feitas a cada dois anos
  • engenheiro mecânico responsável na empresa, regularizado no CREA
  • equipe capacitada com apresentação de credenciais técnicas (formação técnica geralmente em mecânica, eletrônica, eletrotécnica e com as certificações de segurança e NR´s atualizadas)
  • seguro de responsabilidade civil

Um diferencial das empresas registradas no Seciesp é a certeza do atendimento de uma séria de itens de acordo com a legislação vigente, bem como ao estatuto da entidade, inclusive a assinatura de seu Código de Ética.

O síndico profissional Fúlvio Stagi informa que, via de regra, opta por contratos com os fabricantes. Ele também tem boas experiências com empresas terceirizadas que prestam serviços para condomínios de sua carteira de clientes.

“Analisamos diversos critérios, inclusive o capital social da empresa e sua reputação no mercado. Não adianta ter nome se não presta um rápido atendimento. Tempo de resposta para passageiro preso é um item que pesa muito hoje”, relata Stagi.

Acabou de assumir com síndico? É prioridade checar o contrato de manutenção dos elevadores

Os experientes síndicos profissionais Fúlvio Stagi e Jessé Oliveira concordam que a primeira coisa que o síndico que acabou de assumir o posto deve fazer em relação aos elevadores é checar o contrato de manutenção, seguida de reunião com a empresa, endossa o Seciesp.

“Quando assumo um condomínio, verifico o contrato, a empresa e marco uma reunião com o supervisor ou até mesmo com o técnico para nos mostrar as condições dos elevadores. Tudo deve ser bem analisado, porque pode impactar, e muito, na cota condominial”, explica Stagi.

A orientação de Max dos Santos, do Seciesp, ao síndico é pedir à empresa para levar para a reunião o último RIA.

“Fale com o responsável e peça um laudo de avaliação atual sobre os elevadores, devidamente assinado pelo engenheiro responsável atestando as condições, principalmente de segurança dos equipamentos. Se ainda restar dúvidas, procure um consultor independente para fazer a avaliação“, instrui Max dos Santos.

Contratar uma assessoria ou consultoria, que não concorra com os mantenedores, para realizar uma auditoria dos trabalhos executados nos elevadores do condomínio é uma forma de o síndico ter informações técnicas do desempenho da atual contratada e dos equipamentos por profissionais isentos de interesse.

consultoria poderá confirmar (ou não) e complementar informações fornecidas pela contratada, embasando e facilitando a tomada de decisões por parte do síndico quanto a manter a empresa, exigir ajustes ou até mesmo partir para a escolha de uma nova conservadora.

Jessé Oliveira orienta o novo síndico a verificar se o valor pago à empresa está compatível com o cobrado no mercado, lembrando que sempre é possível tentar uma negociação para redução desses valores.

Outras recomendações dos especialistas:

  • Checar o tipo de contrato (com ou sem peças – veja mais abaixo)
  • Checar se o contrato atende as necessidades e condições dos elevadores
  • Checar se os elevadores ainda estão na garantia
  • Exigir os comprovantes de manutenção, fichas de atendimento ou ordem de serviço
  • Visitar a casa de máquinas, mesmo sendo leigo no assunto, para observar a qualidade dos serviços prestados
  • Conferir se as coberturas do seguro do condomínio estão adequadas

Saiba como fazer um contrato de manutenção dos elevadores sem erros

Como visto no começo desta reportagem, os condomínios que possuem elevadores são obrigados por lei a ter um contrato de conservação com empresa habilitada.

Para este tipo de equipamento, existem duas modalidades de contratos:

  1. Manutenção, com cobertura de peças
  2. Conservação, sem cobertura de peças

Qual é o mais adequado para o seu condomínio?

Segundo o Seciesp, o síndico deve prestar atenção ao tempo de vida dos equipamentosElevadores mais novos e que estejam com seus componentes mais atualizados, o mais indicado é um contrato sem peças.

Para os mais antigos, o contrato com peças é mais adequado. “No entanto, esses contratos precisam ter um valor maior para que as empresas possam executá-lo de maneira adequada e profissional, substituindo realmente as peças quando se faça necessário”, explica Max dos Santos, diretor-executivo da entidade.

contrato

Fúlvio Stagi comenta que o preço deste tipo de contrato é praticamente inviável para condomínios menores, com menos de 32 unidades. “Mesmo na modalidade com peças, pode haver itens não cobertos, então é importante estar atento na hora de negociar”, alerta Everton Ramos, da Hi Solution.

O consultor técnico orienta o síndico a buscar apoio da administradora para ponderar sobre o histórico de consumo de peças em um período de, pelo menos, 12 meses e avaliar qual custo é mais viável para definir o tipo de contrato.

Outro ponto de atenção é quando o condomínio resolve alterar o tipo de contrato. Segundo o síndico profissional Jessé Oliveira, é bastante onerosa a alteração do contrato para inclusão de peças após alguns anos de funcionamento.

Já o contrário – a exclusão de peças para redução do valor contratado -, na sua opinião, deve ser estudada criteriosamente e levada para deliberação em assembleia, após um levantamento detalhado do histórico de trocas.

Os especialistas também apontam que muitos componentes têm que ser trocados periodicamente, de acordo com a vida útil pré-determinada.

Ou seja, a escolha do tipo de contrato não é uma decisão fácil e simples. Deve ser estudada cuidadosamente, levando em consideração diversas variáveis, sempre com apoio em informações e dados técnicos e, dependendo do caso, decidir em assembleia.

Caso o síndico tenha dúvidas sobre o valor de uma peça, ou sobre a real necessidade da substituição, vale a pena buscar um auxílio técnico de uma assessoria especializada. Esse tipo de serviço vai analisar a situação de uma forma isenta e indicar se a demanda procede ou não.

De qualquer forma, vale lembrar que, como falado no início da reportagem, o condomínio deve realizar todos os apontamentos da empresa contratada.

O que o síndico deve exigir em um contrato com empresa de manutenção de elevadores?

contrato firmado com uma empresa de conservação ou manutenção de elevadores precisa ser detalhado, com apresentação do plano de revisão periódica, indicando quais componentes serão verificados, garantia de peças, relatório de manutenção etc.

Se possível, o contrato deve incluir SLAs (Service Level Agreement ou Acordo de Nível de Serviço) para tempo de atendimento, repetição de chamados críticos, tempo de equipamento parado etc.

“As empresas dificilmente formalizam o tempo para resolução efetiva dos problemas, pois muitas vezes a necessidade de troca de peças acaba tornando o reparo mais demorado do que o desejado”, informa o síndico profissional Jessé Oliveira.

O principal SLA, na opinião de Fúlvio Stagi, é o de tempo de resposta para retirada do passageiro preso, que deve ser de até 30 minutos. “Apesar de na percepção do passageiro ser um tempo considerável, há de ser observar o tempo de mobilização das equipes, variando de cidade para cidade”, explica o síndico profissional.

Quando chega um chamado de passageiro preso, a boa prática de mercado é a empresa emitir um alerta a todos os seus técnicos e o que estiver mais próximo interrompe o que estiver fazendo para priorizar o resgate.

Na hora da contratação da empresa, além de selecioná-la levando em consideração tudo o que listamos anteriormente nesta reportagem sobre idoneidade, importante o síndico se atentar também para alguns detalhes apontados pelos especialistas, como:

  • comprometimento com o trabalho preventivo de manutenção
  • utilização de peças genuínas em trocas
  • transparência na prestação de serviços
  • priorizar o contrato com o fabricante

Além disso, o síndico ou administrador deve exigir da empresa contratada e se certificar de que a manutenção é feita com a frequência especificada pelo fabricante do elevador, permitindo assim o seu correto funcionamento, sem interrupções desnecessárias, orienta Marici Santos, da Atlas Schindler.

E na hora da renovação de contrato?

Se a empresa vem prestando um bom serviço, com preços justos e adequados, deve permanecer.

Durante os cinco primeiros anos, é mais vantajoso manter um contrato de conservação (sem peças), atrelado a um bom seguro. Se o condomínio tem um contrato antigo, com mais de dez anos, e já contempla substituição de peças, o ideal é mantê-lo”, orienta Stagi.

Check-list da visita ideal de manutenção preventiva dos elevadores

manutenção preventiva é feita mensalmente em um ciclo de 12 meses, indica o Seciesp.

“A cada mês são verificados determinados itens, componentes e peças dos equipamentos, fechando a inspeção após 12 meses, com a emissão do RIA. Este relatório de inspeção mensal, deve estar fixado na casa de máquinas dos elevadores, sendo um para cada equipamento, constando todos os itens de verificação”, esclarece Max dos Santos, diretor-executivo do Seciesp.

checklist

Há empresas que também realizam inspeções independentes diferenciadas, com periodicidades maiores de um ano e cinco anos. A Atlas Schindler, por exemplo, vistoria e testa, nessas inspeções, elementos como o sistema de freios, limitador de velocidade, trava da porta de pavimento e sistema elétrico, para garantir um padrão de conformidade para o bom funcionamento, com segurança, dos equipamentos.

Segundo Everton Ramos, da Hi Solution, o técnico deve basear sua rotina de visita em uma planilha de manutenção, onde deverá constar claramente as ações para:

  • casa de máquinas
  • conjunto de tração
  • regulador de velocidade
  • portas de pavimento
  • caixa de corrida
  • cabine
  • poço etc

Ainda na visita, o técnico também deve:

  • colher informações sobre os equipamentos com o zelador ou um representante do condomínio
  • deve utilizar os elevadores para ter as percepções de performance que os usuários têm ao viajar na cabine do elevador
  • olhar as partes do equipamento que se comunicam com o usuário, tais como botões, indicadores digitais, nivelamento, ruídos, vibrações entre outros.

Como identificar que chegou a hora de fazer modernização de elevador?

Com o passar do tempo, a tecnologia e a aparência dos elevadores podem ficar desatualizadas.

O síndico saberá que chegou a hora de partir para a modernização do elevador – que poderá ser tecnológica e/ou estética – quando o equipamento:

  • demanda muitas manutenções
  • apresenta quebras consecutivas
  • apresenta paradas bruscas
  • as peças estão se tornando obsoletas e não se encontram mais para reposição
  • aumento considerável na conta de energia

“Com a modernização é possível agregar uma nova tecnologia aos sistemas existentes, proporcionando valorização para o condomínio, performance para os equipamentos, além de mais conforto e segurança para os usuários”, afirma Marici Santos, da Atlas Schindler.

Confira outras vantagens da modernização de elevadores:

  • Mais disponibilidade do equipamento
  • Redução no consumo de energia elétrica em cerca de 40%
  • Redução nos custos com aplicação de peças
  • Eliminação de trancos e degraus
  • Portas com abertura e fechamento mais suaves
  • Redução de ruídos na casa de máquinas

Importante que o síndico busque respaldo técnico com uma assessoria ou consultoria especializada para definir:

  • o que deve ou não passar por atualização tecnológica
  • escopo da modernização para balizar as empresas que participarão da cotação
  • equalização das propostas em busca do melhor custo benefício

– Saiba mais sobre o momento certo para fazer a modernização tecnológica do elevador

E sobre a aquisição de um novo elevador? “A troca completa não é exigida, a não ser que a análise para o processo de modernização do equipamento concluir que este seja o caminho mais adequado. Não existe uma regra única dada, a variedade de modelos e tipos de elevadores”, esclarece Everton Ramos, da Hi Solution.

Dicas para economizar energia com bom uso do elevador

Raramente os condomínios têm condições de aferir a fração da conta de energia que remete aos elevadores, embora se saiba que representam a maior fatia de consumo.

Mesmo assim, vale a pena adotar medidas que contribuem para reduzir a conta de energia. Algumas são para os síndicos, outras para todos os condôminos. Confira:

  • Trocar as lâmpadas das cabinas por LED. Se ainda são lâmpadas convencionais, importante trocar o quanto antes
  • Avaliar a viabilidade de adotar o “sistema inteligente”, em que se trabalha com os elevadores interligados (duplex), quando o usuário aciona o botão e o sistema envia o elevador que estiver mais próximo
  • Para subir um ou dois andares, utilizar as escadas
  • Quando chamar o elevador, aperte somente o botão de subida ou descida, de acordo com o seu destino
  • Se o condomínio conta com mais de um elevador, chame somente um dos equipamentos
  • Acione itens periféricos como ventilador, interfone ou alarme somente quando for necessário.

Vídeo: cuidados com elevadores

Veja no vídeo abaixo dicas de especialistas sobre a gestão e manutenção de elevadores em condomínios.

Perguntas e respostas sobre uso correto e manutenção dos elevadores

Confira abaixo mais alguns tópicos imprescindíveis para síndicos, moradores e usuários de elevadores em condomínios.

  • Quais são os itens de segurança imprescindíveis em elevadores? Interfone, alarme e luz de emergência com bateria autônoma. Segundo Everton Ramos, da Hi Solution, os três itens constam na norma ABNT NBR NM 207/1999. Interfone e luz de emergência amenizam a fobia de quem tem, oferecendo mais conforto. Nos prédios com portaria remota, é vital que os elevadores estejam equipados com câmera e interfone.
  • Existe vida útil média para os cabos dos elevadores? A vida útil de um cabo de aço vai depender da maneira como ele é conservado, explica Everton Ramos. Com o passar dos anos, a vida útil dos cabos é reduzida. “Há casos em que a via útil ultrapassa cinco anos. Dependerá de ter uma boa manutenção preventiva e acompanhamento adequado.”
  • Mito ou verdade: deixar um dos elevadores desligados em horário com menos uso economiza energia? Depende. Quando se percebe que no condomínio existe mau uso, como, por exemplo, o péssimo hábito de se chamar todos os elevadores ao mesmo tempo, tal ação reflete em redução. Mas deve-se considerar que novas tecnologias (elevadores microprocessados / eletrônicos) têm por concepção de projeto um baixo nível de consumo quando está na condição de stand by. Nesses casos, desligar não deverá refletir em redução significativa ou perceptiva de consumo.
  • Manutenção de câmeras do elevador: quem deve fazer? A empresa responsável pela manutenção do CFTV/câmeras, com acompanhamento do técnico da contratada para manutenção dos elevadores para que o trabalho seja executado com segurança, tanto para os profissionais quanto para o equipamento.
  • Manutenção de interfones do elevador: quem deve fazer? Se o interfone for do próprio fabricante, ou seja, parte integrante do elevador, a manutenção deve ser feita pela empresa de manutenção do elevador. Caso contrário, deve ser pela empresa responsável pelos interfones no condomínio, com acompanhamento do técnico da contratada para manutenção dos elevadores. Se for constatado problema com a infraestrutura (fiação) que interliga o elevador à portaria, essa manutenção é de responsabilidade do condomínio.
  • O que fazer quando o elevador para e quem ficou preso insiste para que o zelador ou qualquer pessoa abra e faça o resgate? O resgate só deve ser feito por profissional habilitado ou, em último caso, pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar. Pessoas sem conhecimento e ações inadvertidas podem causar acidentes de graves a fatais. Isto consta na norma de manutenção de elevadores ABNT NBR 16083/2012. “Mesmo que muitos zeladores tenham recebido instruções em épocas passadas, onde se tinha o hábito de fornecer treinamentos, não recomendo tal prática”, orienta Everton Ramos.
  • Bombeiros podem ou não podem fazer resgate de pessoas presas em elevador? Eles são habilitados para isso, com o foco na pessoa presa. “Para fazer o resgate, pode ser que precisem cortar partes do elevador, causando danos materiais. Por isso recomendo sempre acionar o mantenedor e informar que se trata de passageiro preso. Deve-se manter contato com a pessoa e, dependendo do estado da mesma ou em casos de mau súbito, deve-se acionar o Corpo de Bombeiros. Usar de bom senso é primordial”, informa Everton Ramos.
  • Por que não se pode usar o elevador em caso de incêndio? O fogo pode cortar a energia do condomínio e o passageiro poderá ficar retido na cabine, colocando em risco a sua segurança. Gases e fumaça podem invadir a caixa de corrida e o poço do elevador, podendo causar asfixia na pessoa dentro da cabine. “Apenas edificações projetadas, e normalmente comerciais, podem ter um elevador de emergência preparado adequadamente para ser utilizado para o resgate e evacuação de pessoas em caso de incêndio”, esclarece Everton Ramos.

Fontes consultadas: Everton Ramos (Hi Solution), Fúlvio Stagi (síndico profissional), Jessé de Souza Oliveira Jr (síndico profissional), Marici Santos (Atlas Schindler), Max dos Santos (Seciesp)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s